sábado, 22 de agosto de 2009

Algumas amostras dos primeiros vibradores.








Vou falar por mim...se dependesse de um desses vibradores para curar minha histeria, eu preferiria morrer histérica a submeter-me a um desses "perfuradores de brita". Idéias sado-masoquistas perambulavam na cabeça dos inventores ou eles não sabiam nada sobre mulheres, penso eu. Será que passaria na cabeça de uma mulher em qualquer época idealizar um instrumento de masturbação como esses? isto me tiraria qualquer possibilidade de atingimento de orgasmo...hahaha. Penso neste momento, que os atuais modelos foram adaptados por nós mulheres, pela anatomia e conforto que lhes causam, embora saibamos que remédio para este tipo de histeria é uma boa companhia, que nos possibilite bons momentos de amor, sexo e companheirismo.Isto nos dá saúde!

A maioria das imagens foi retirada do Museu do Vibrador

4 comentários:

  1. Olá Mary, Sensacional a pesquisa!! Os brinquedinhos ffemininos deram um salto inportante e passaram a fazer parte do arsenal de artefatos da cômoda feminina, e a proliferação das sex shop tornou-se um exceletne negócio no mundo inteiro. Publico sempre existiu...

    Tbm gostei bastante de sua visista lá na minha atmosferas e obrigado pelo incentivo, com sua palavras sempre tão gentis.

    Apropósito da bicicleta existem vários modelos....Rs rs rs rs..

    Exceletne final de semana menina linda de Natal!!!

    Hod.

    ResponderEliminar
  2. ola Hod!!!...que bom que ressurgistes!....algum modelo de bicicleta que me sugere?....kkkkk

    ResponderEliminar
  3. Realmente!...também acredito que se fosse feito por uma mulher o formato teria mais delicadeza.

    ResponderEliminar

My Journey

Trata-se de um blog pessoal, onde sinto-me à vontade para falar sobre my way and my journey.

Amigos que Acompanho

Acompanham-me..!!

Quem Sou

A minha foto

Eu pensei que me conhecia, mas eu me imaginava. Eu pensei que existiam somente duas Marys dentro de mim. Uma que eu a controlava, outra que me controlava. No entanto, comecei a tirar os véus da imaginação e me dei conta que existem muitas mulheres dentre deste corpo pequeno e frágil. Por isto, ele era tão complexo e vulnerável.A partir daí, comecei a compreender a fala da minha incompreensão, tentando ser menos severa comigo, para ser mais amável e tolerante para aceitar que sou o que sou, sem nenhum compromisso em querer ser politicamente correta para agradar aos outros. Isto me acalma e me faz ver-me diferente. Sou mulher, mãe, profissional, deusa, amante, cidadão do mundo, vivendo intensamente meu universo feminino. Isto é o que chamo de entrega de mim à mim, mesma. Sou seguidora incondicional de Jesus Cristo.

Bem....

Bem....

Obrigada pela visita e volte sempre!

Obrigada pela visita e volte sempre!